Barra Pesada

.

 

Banner_COVID_2021_970x250.gif

 

 

 


Geraldo_Naves_com_fundo.jpg

 

bannerf

Operação Rosso Corsa combate o desmanche de veículos

A Polícia Civil do DF, por intermédio da Coordenação de Repressão aos Crimes Patrimoniais (CORPATRI/PCDF), deflagou a

Operação Rosso Corsa.

Para cumprimento de nove Mandados de Prisão Preventiva e 13 Mandados de Busca e Apreensão nas regiões administrativas de São Sebastião e de Santa Maria, no Distrito Federal, bem como nos municípios de Novo Gama, Luziânia e Catalão, no Estado de Goiás.

Trata-se de investigação policial da Divisão de Repressão a Roubos e Furtos de Veículos – DRRFV/CORPATRI, iniciada em setembro de 2020, direcionada a desbaratar organização criminosa estruturada e ordenada no Distrito Federal, com ramificações no Estado do Goiás, em plena atividade, especializada na receptação e adulteração de sinais identificadores de veículos, assim como falsificação de documentos públicos. Segundo as investigações, o líder do grupo criminoso adquiria/receptava veículos furtados e/ou roubados, ocultando-os para que seus comparsas promovessem adulteração dos seus sinais identificadores (chassi, vidros, motor e placas), bem como para que emitissem documentação falsa (CRLV). Com o veículo “pronto”, ou seja, “clonado”, ele era anunciado a uma rede de receptadores que sabiam da procedência ilícita do bem.

As investigações mostraram que a maioria dos veículos mais novos e caros, como utilitários e esportivos, eram vendidos adulterados para receptadores especificados. Automóveis mais baratos, populares, costumavam ter suas peças desmontadas para abastecimento de uma rede clandestina de receptação de peças.

Desde 2018, a DRRFV tem informações a respeito das atividades ilícitas estabelecidas pelo líder da organização criminosa, o qual era conhecido por ser um grande intermediário de carros furtados e/ou roubados no DF. Ressalte-se que os integrantes desse grupo são velhos conhecidos desta Coordenação, já tendo sido investigados e presos pela DRRFV entre os anos de 2013 e 2015 pelos mesmos crimes, com grande parte do bando em regime liberdade provisória/prisão domiciliar.

O nome da operação, “Rosso Corsa”, que significa “vermelho corrida” em italiano, faz referência à cor da motocicleta DUCATI, um dos veículos “clonados” pelos criminosos, a qual foi recuperada durante as investigações.

INVESTIGADOS: Indivíduos do sexo masculino, com idades entre 22 e 47 anos, sete deles com vastos antecedentes criminais pelos crimes de Organização Criminosa, Associação Criminosa e receptação, adulteração de sinal identificador de veículo automotor, furto, falsificação de documento público.

CRIMES/PENAS: Os investigados estão incursos no crime de organização criminosa (pena de 3 a 8 anos de reclusão). Além desse crime, alguns responderão também pela prática do crime de receptação (pena de 1 a 4 anos de reclusão), crime de adulteração de sinal identificador de veículo automotor (pena de 3 a 6 anos de reclusão) e crime de falsificação de documento público (pena de 2 a 6 anos de reclusão).

Assessoria de Comunicação/DGPC

 

seg-202_00000--pronto.gif

Moreno-100_00000.gif

Please publish modules in offcanvas position.