Barra Pesada

.

 

GDF.gif 

 

Barra Pesada

Paulo Pestana é Jornalista de Brasília - Somos todos Mussum?

A língua portuguesa tem sido muito achincalhada nesses tempos. Há muita concorrência com tanto neologismo, erro proposital (“é nóis”, por exemplo), estrangeirismo e até invasão visual/sonora, que transforma expressões inteiras em desenhos em palavras (emojis, figurinhas). E tem a invasão dos politicamente corretos.

Estava aguardando o início de uma reunião quando as pessoas começaram a chegar. “Bom dia, a todos”, se repetiam com a mesma vibração modorrenta daquela manhã chuvosa, até que o rapaz com calças de feltro xadrez e blusa colorida entrou: “Bom dia, todes!”. Todes.

Deixei passar. Talvez fossem os ouvidos cansados, entorpecidos pela música eletrônica do bar na noite anterior. Mas a cada intervenção do rapaz eu estranhava – “somos amigues”, “estamos animadics” – parecia uma mistura de Muçum e Zacarias, dos Trapalhões, até que a curiosidade matou o gato; perguntei ao rapaz ao lado: “É língua presa?”.

Temos convivido até com línguas-presas presidenciais, o que em si nunca foi problema. Bem mais graves são as locuções que saem dessas bocas oficiais. A anquiloglossia é um fenômeno natural, quando a membrana que fica sob a língua é menor e atrapalha a dicção. Nada demais.

Não era. Estava mais para língua solta. O colega ao lado me explicou que aquela era a nova forma correta de falar, o idioma inclusivo que acabaria com todo preconceito. Nessa nova forma de se expressar, por exemplo, não cabem mais pronomes pessoais – não existe mais ele e ela, por exemplo. Virou tudo íle.

Se eu já achei estranho quando declararam que estávamos sendo governados por uma presidenta, avalie agora. Depois que descobri que o Tinder – aquele site de namoro – admite 37 identidades de gênero (não é mais sexo) não deveria estranhar nada mais, mas eu ainda não perdi a capacidade de me espantar com a estupidez, o que me parece bom sinal para quem não quer se inoculado pelo vírus da asneira, pelo menos não além da conta.

Soube até que o Conselho da União Europeia lançou um guia de “comunicação inclusiva” para a língua portuguesa. Com tanta gente passando fome, morando nas ruas, se injetando com drogas pesadas e tocando o terror, os nobres embaixadores deveriam ter outras preocupações na cabeça, mas isso é só a opinião de um idiota sul-americano que fala – e gostaria de continuar falando – a língua de Eça, Machado e Paulo Coelho.

Não sou refratário a novas ideias. Mas o mundo parece nos empurrar para um abismo. Numa outra reunião, a mocinha reclamou que estava sendo desrespeitada. Eu simplesmente pedi desculpas (por algo que não sei) e disse: “Eu não estou lhe desrespeitando, só colocando meu ponto de vista”. Ela respondeu: “Se eu estou me sentindo desrespeitada é porque você está me desrespeitando”. Tá bom, então.

Não me diz respeito se o sujeito quer andar vestido de girafa e falar assoviando como uma girafa, ou assumir a identidade sexual que quiser. Só quero a liberdade de não participar desse desfile de carnaval sem serpentina e loló e saber que elas gostam de ser chamadas de elas, assim como eles gostam de ser eles.

Fonte: Publicado no Correio Braziliense, em 8 de novembro de 2020

Barra Pesada

Please publish modules in offcanvas position.