Barra Pesada

.


Geraldo_Naves_com_fundo.jpg

 

bannerf

Vítima de feminicídio no DF, Larissa Nascimento deixa filho de 8 meses

Barra Pesada

Vítima de feminicídio no DF, Larissa Nascimento deixa filho de 8 meses

Larissinha, como era mais conhecida pelos amigos e familiares, foi assassinada com golpes de taco de beisebol, no Condomínio Del Lago, no Itapoã

Larissinha, como era mais conhecida pelos amigos e familiares, foi assassinada com golpes de taco de beisebol, no Condomínio Del Lago, no Itapoã

Aos 22 anos, Larissa Nascimento, morta brutalmente pelo companheiro na madrugada deste domingo (9/5), deixou um bebê de 8 meses. Larissinha, como era mais conhecida pelos amigos e familiares, foi assassinada com golpes de taco de beisebol, no Condomínio Del Lago, no Itapoã. O crime é investigado como feminicídio pela 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá).

Nas redes sociais, Larissa demonstrava o amor pelo filho publicando fotos do pequeno, dia em que nasceu e até o horário. Jovem e cheia de sonhos, Larissa ganhou homenagem de amigos e familiares no Facebook. “Meu coração está aqui em pedaços, não quero nem acreditar que você se foi, minha irmã”, escreveu o irmão da vítima.

O suspeito de cometer o feminicídio, identificado como João Paulo Moura de Sousa, 23, foi preso pela Polícia Militar do DF (PMDF) escondido na casa do pai, na Quadra 329 do Itapoã. Segundo a corporação, João acumula passagens por crimes praticados com violência, contra o patrimônio, além de violência doméstica, onde as medidas protetivas e a tornozeleira eletrônica foram retiradas há menos de uma semana.

O caso

Policiais militares chegaram ao local da ocorrência por volta das 5h, após uma denúncia anônima. Ao chegar na residência indicada pelo informante, a mãe do agressor afirmou que nada havia acontecido. Os PMs insistiram, perguntando sobre uma discussão no decorrer da madrugada, mas a mulher reafirmou que estava tudo bem.

Segundo relatos, quando amanheceu o dia, a mãe, o autor das agressões e um irmão dele ficaram na calçada, conversando sobre o que fazer. O suspeito afirmava que não havia saída, que a mulher estava morta e que não queria ser preso. Por volta das 10h30 os bombeiros chegaram ao local e encontraram o corpo da mulher em cima da cama, em um quarto da casa, já sem vida.

 

Fonte: Correio Braziliense

Tags:

 

seg-202_00000--pronto.gif

Moreno-100_00000.gif

Please publish modules in offcanvas position.